PUBLICIDADE

Topo

O Campeonato Brasileiro mais disputado de todos não é de futebol

Leo Bianchi

18/01/2020 09h50

Felipe "brTT" Gonçalves ajudou o Flamengo a ser campeão em 2019. Este ano vai jogar pela paiN Gaming, seu primeiro time profissional

"Vai começar o CBLoL mais disputado de todos os tempos!". A frase, que já virou um marco para os fãs brasileiros de League of Legends, é repetida há alguns anos. Porém, acredite: esse é diferente! 2020 tem tudo para ser especial para o cenário competitivo do MOBA da Riot Games. E, não à toa, já estamos contando os dias para a primeira rodada do torneio – agendada para o dia 25 de janeiro, às 13h, com um eletrizante paiN Gaming x Flamengo.

O Rubro-Negro é o atual campeão do CBLoL. Chegou às últimas três finais do torneio e, após duas frustrantes derrotas para KaBuM e INTZ, levantou o troféu da maneira que o torcedor sonhava: no Rio de Janeiro, embalado por milhares de vozes que ecoaram na Jeunesse Arena, dentro do Parque Olímpico. Redenção para a equipe e para Felipe "brTT", maior nome da história do League of Legends brasileiro, que não se abalou diante das frustrações anteriores e conquistou seu quinto título nacional pelo time do coração.

O atirador, aliás, é o elo de ligação nesta primeira partida do CBLoL. Ele está de volta à paiN Gaming, onde foi campeão brasileiro duas vezes (2013 e 2015), e é peça de um elenco cotado por especialistas como (no papel, que fique claro) um dos maiores da história do cenário nacional. Jogará novamente ao lado do também renomado Gabriel "Kami", que está de volta após uma pausa no cenário competitivo.

E não para por aí. A paiN ainda conta com o meio Tinowns e o topo Yang, ambos com títulos do CBLoL no currículo e remanescentes do elenco do ano passado, e com um trio sul-coreano: o caçador Yun "SeongHwan", o suporte Kim "Key" e o técnico Sin "Xero", todos com passagem pela LCK, a divisão de elite no país asiático.

Mas as histórias que o CBLoL reserva estão bem longe de passar somente pelas duas organizações. A INTZ, maior campeã da história do torneio, com quatro títulos, manteve seus titulares, se reforçou e ainda trouxe o primeiro chinês da história a jogar no Brasil, Ying "Tianci". Uma estratégia de manutenção semelhante à da Uppercut, que agora virou FURIA Uppercut, ganhando o aporte de uma das equipes de maior ascendência no eSport nacional.

Ainda há a KaBuM totalmente renovada, a Prodigy e a Vivo Keyd tentando provar a força demonstrada no Circuito Desafiante, a Redemption na busca por uma surpresa… Narrativas não faltam. Que venham 11 empolgantes finais de semana na Fase de Pontos, semifinais eletrizantes e uma decisão épica para coroar o League of Legends brasileiro. Estaremos de olho e na torcida por um grande campeonato até o dia 2 de maio.

Sobre o Autor

Leo Bianchi é jornalista, já foi repórter e apresentador do Globo Esporte. É apaixonado por competição e já cobriu Copa do Mundo, Fórmula 1, UFC e mundiais de CSGO, R6, FIFA, Just Dance e Free Fire. Também é youtuber e Pro Player frustrado.

Sobre o Blog

No GGWP você encontra análise dos cenários competitivos no Brasil e no mundo, além dos bastidores do universo envolvendo times, pro-players e novidades em geral.

GGWP