PUBLICIDADE

Topo

GGWP

Profissionalismo é fundamental para que o esporte eletrônico exista

Leo Bianchi

23/04/2020 08h00

Final do campeonato mundial de Free Fire que ocorreu em novembro de 2019 foi apenas um entre tantos eventos importantes de eSports que o Brasil recebeu e executou de forma perfeita. Profissionalismo cada vez maior para esse setor!

Os debates em torno de profissionalismo no esporte eletrônico são constantes, densos e envolvem diversos aspectos. Cada vez mais, polêmicas e até litígios judiciais entre jogadores e organizações aparecem e fomentam uma discussão mais do que necessária sobre quais os requisitos básicos para atuar nesse mercado. Na minha opinião, todo debate deve girar em torno de uma premissa básica: eSport é esporte. E não deve haver espaço para negligência quando falamos de competição em alto nível.

O caso de Matheus "brutt", jogador de 19 anos que morreu no ano passado devido a uma infecção no cérebro, liga um alerta importantíssimo para o nosso cenário. Não é minha função entrar no mérito jurídico e apontar para eventuais culpados. Os bastidores de tudo o que está acontecendo você pode ler clicando aqui, em reportagem do Start UOL. O ponto é: um jovem talento do esporte eletrônico perdeu a vida em meio a uma série de supostas negligências. E isso não pode acontecer.

Cristiane Fernandes Queiroz Coelho é mãe de Matheus "brutt" Queiroz, jogador de Counter-Strike que morreu em dezembro de 2019 (Lucas Landau/UOL)

Quem vive o ambiente dos eSports no Brasil, frequenta gaming houses, conversa com jogadores e donos de organizações, sabe que há erros em todas as partes. Da mesma forma que algumas equipes não cumprem o básico em segurança, higiene e saúde para seus atletas, também há imaturidade e falta de compromisso por parte de alguns pro players, que teimam em não se portar como profissionais. Há casos e casos, e as análises devem ser particulares.

Um ótimo ponto de partida é a iniciativa das publishers. São elas as responsáveis pela promoção dos campeonatos e pelo estabelecimento do cenário competitivo. Se a fiscalização for rígida e o nível de exigência for alto, o espaço para o amadorismo acaba. Da mesma forma que as organizações saberão que precisarão atender a uma série de normas, os jogadores terão em mente que o profissionalismo será uma "nota de corte" para atuar em um grande time.

Ver essa foto no Instagram

 

Doesn't matter the platform, these two know how to hit that headshot Não importa a plataforma, esses dois sabem encaixar aquele headshot

Uma publicação compartilhada por Team Liquid (@teamliquid) em

O sistema de franquias proposto pela Riot Games para o League of Legends brasileiro em 2021, assim como as projeções da Ubisoft para o futuro do Rainbow Six Siege no país, são iniciativas nesse sentido que devem ajudar, e muito, a combater o amadorismo ainda presente nos eSports por aqui. A relação entre time, jogador e publisher vai muito além de mouse e teclado, de vitória e derrota. O ecossistema deve ser saudável, literal e figurativamente, para todos.

É ótimo ver os esportes eletrônicos transcendendo limites antes totalmente inimagináveis. Você, há 10 anos, imaginaria ver uma grande emissora de televisão cobrindo e transmitindo games ao vivo da forma como acontece hoje? Imaginaria um "Oscar" do setor, como o Prêmio eSports Brasil, todos os anos? Pois é, o caminho foi longo, muita gente lutou por isso, e os passos têm de continuar sendo em frente, e não um retrocesso. Evoluamos e cobremos, todos, por um setor que sirva como exemplo de coletividade nas páginas esportivas.

Sobre o Autor

Leo Bianchi é jornalista, já foi repórter e apresentador do Globo Esporte. É apaixonado por competição e já cobriu Copa do Mundo, Fórmula 1, UFC e mundiais de CSGO, R6, FIFA, Just Dance e Free Fire. Também é youtuber e Pro Player frustrado.

Sobre o Blog

No GGWP você encontra análise dos cenários competitivos no Brasil e no mundo, além dos bastidores do universo envolvendo times, pro-players e novidades em geral.