PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Free Fire: El Racha, Cerol, Level Up, Peu e Pai da Fac são o "squad do bem"

Leo Bianchi

09/07/2020 08h00

Quase 400 famílias foram ajudadas nas ações solidárias dos influenciadores de Free Fire. Mais do que alimento, eles levaram alegria para as favelas (Foto: Reprodução)

Máscara no rosto, luvas nas mãos, álcool gel e uma atitude que vai muito além de simples doações. Grandes influenciadores do Free Fire têm distribuído cestas básicas para famílias pobres durante a pandemia do coronavírus. Vale lembrar que boa parte dos jogadores que fazem sucesso no game da Garena vieram das favelas e sentiram na pele a dificuldade e, agora, em um momento onde a empatia é mais que necessária, resolveram ajudar.

Os jogadores não apenas compraram alimento e mandaram entregar nas comunidades. Fizeram questão de comparecer pessoalmente para distribuir as cestas básicas. Nessas áreas mais pobres, por se tratar de um game acessível, o Free Fire é unanimidade entre as crianças. Imagine a festa da molecada do bairro Cimiga, em Cajamar, região metropolitana de São Paulo, ao se deparar com Lucio "Cerol" (eleito melhor streamer em 2019 no Prêmio eSports Brasil) e Welington "El Racha" (influencer da Los Grandes).

Ver essa foto no Instagram

 

Que essas crianças NUNCA se esqueçam de mim! Eu juro que NUNCA irei esquecer delas.

Uma publicação compartilhada por Cerol ‍♂️ (@cerolzera) em

Além das 90 cestas básicas, os influenciadores jogaram algumas partidas de Free Fire com a criançada, distribuíram brinquedos e "codiguins"  –os famosos códigos que desbloqueiam itens cosméticos dentro do jogo.

Acima do simbolismo da presença e da solidariedade, esse dia certamente ficará marcado na memória de crianças que têm pouco – ou nenhum – acesso às pessoas que admiram. Esses influenciadores já mudaram de vida, mas seguem provando não terem esquecido as próprias origens. Nesse momento tão difícil que vivemos, tal ação é nobre, louvável e digna de aplausos.

"Vida de streamer nos obriga a ficar muitas horas em casa, e quando soube dessa ação resolvi dobrar o número de cestas básicas, porque eu sempre quis fazer doação. Às vezes não temos a oportunidade de ter o contato com as pessoas, e por isso resolvi ir lá também", contou Cerol. El Racha completou: "A gente conseguiu ajudar, a sensação de fazer o bem é maravilhosa, jamais achei que poderia fazer isso, é uma emoção que não tem explicação".

Ver essa foto no Instagram

 

O tempo é rei

Uma publicação compartilhada por Wellington santos (@el_rachaff) em

Felipe "Pai da Fac" e Pedro "Peu" (jogador da Team Liquid) também tiveram a mesma iniciativa. Organizaram um campeonato entre amigos e todos doaram uma quantia em dinheiro. Com o valor arrecadado, doaram 200 cestas básicas no complexo da Penha, Rio de Janeiro. "Foi uma ação feita para ajudar uma comunidade. Ajudamos ali 200 famílias, arrecadamos dinheiro de uma brincadeira que fizemos pela internet. Com o engajamento deu pra fazer isso, ajudar o próximo. Deu certo, graças a Deus, ajudamos a rapaziada da comunidade", contou Pai da Fac.

Felipe "Pai da Fac" e Pedro "Peu" ajudaram na favela da Penha, Rio de Janeiro (Foto: Reprodução)

 

Amigos influenciadores de Free Fire do Rio de Janeiro se reuniram e fizeram um campeonato on-line entre amigos. Com o dinheiro arrecadado, 200 cestas básicas foram compradas e doadas (Foto: Reprodução)

O pioneiro dessa ação solidária, no entanto, foi Samuel Level Up, jogador da Vivo Keyd. Em maio deste ano, ele doou 80 cestas básicas na favela do Parque Novo Mundo, na capital paulista (veja no vídeo abaixo). O pro player nasceu e foi criado em uma favela em Salvador, na Bahia. O GGWP já contou a história dele aqui. "Eu saí de uma favela, sonhei, conquistei as coisas. Graças a muito esforço e dedicação, os fãs me proporcionaram isso para eu poder ajudar outras pessoas também", lembrou Level Up.

Todos esses jogadores e influenciadores saíram da pobreza graças ao Free Fire. Conhecem a realidade dessas comunidades e entendem o quanto uma cesta básica faz a diferença na vida dessas famílias. Entretanto, compreendem também que é preciso ir além. Estar presente nas favelas tem um significado muito maior. Ter contato, ainda que limitado por conta da pandemia, contar histórias, jogar uma partida de Free Fire e fazer alegria do próximo alimenta a alma, nutre sonhos e encoraja o futuro de quem, muitas vezes, não vê nenhum pela frente.

Sobre o Autor

Leo Bianchi é jornalista, já foi repórter e apresentador do Globo Esporte. É apaixonado por competição e já cobriu Copa do Mundo, Fórmula 1, UFC e mundiais de CSGO, R6, FIFA, Just Dance e Free Fire. Também é youtuber e Pro Player frustrado.

Sobre o Blog

No GGWP você encontra análise dos cenários competitivos no Brasil e no mundo, além dos bastidores do universo envolvendo times, pro-players e novidades em geral.