PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Novo UFC 4 apresenta recursos "gamers" para agradar além dos fãs de MMA

Leo Bianchi

11/07/2020 12h01

Novo game do UFC está previsto para ser lançado dia 14 de agosto. Na imagem acima, vemos uma gameplay do novo jogo num combate entre o russo Khabib Nurmagomedov que venceu o americano Dustin Poirier no UFC 242 em setembro do ano passado e manteve o cinturão dos leves da organização.

Próximo game da principal franquia de artes marciais mistas (MMA) do mundo, o UFC 4, produzido pela EA Sports, traz uma série de novidades para ampliar seu tipo de público e levar o jogo a uma variedade de pessoas ainda maior. Entre impactos visuais e sonoros diferenciados, que faz o jogador ter uma imersão maior durante os combates virtuais, o título promete uma movimentação muito mais fluida, com atualização de mecânica. Novos acessórios e cenários permitirão uma experiência lúdica e multicultural com as artes marciais como tema central – aumentando a interação entre produtora e jogador.

O GGWP teve acesso a uma conferência exclusiva do UFC 4, e a primeira conclusão é: a tendência é que o jogo fique mais simples do que seus antecessores no que diz respeito à combinação de golpes e à complexidade do game. Não haverá necessidade de uma grande sequência de botões para acertar um combo, por exemplo. A luta no chão se tornou muito mais fluida e atrativa – destaque aqui para o posicionamento das câmeras, que dão uma impressão de transmissão de um evento real do Ultimate Fighting Championship.

Dois tipos de mini games estarão disponíveis para completar as finalizações. Serão mais fáceis e simples que os anteriores.

A sensação de imersão com os replays em câmera lenta é grande, com animações mais reais de golpes impactantes – como o rosto deformado com um soco certeiro, por exemplo. A gameplay nos takedowns (quedas) e no ground and pound (técnica na qual um lutador leva o outro para o chão e busca golpes diversos, em vez da finalização) foi atualizada em tudo: controles, animação e apresentação. Diversos elementos relembram o UFC Undisputed, desenvolvido pela Yuke's, antes da chegada da EA como produtora do game. Em termos gráficos, não vamos notar muitas diferenças porque a EA manteve o mesmo motor gráfico e fez apenas algumas atualizações nos sistemas de luz, sombra e textura.

A previsão é de mais de 220 lutadores disponíveis no jogo inicialmente – com Daniel Cormier, ex-campeão peso pesado do UFC (que tentará retomar o cinturão, atualmente com Stipe Miocic, na edição 252, no dia 15 de agosto) como comentarista. A lista oficial será divulgada em breve, mas já foi adiantado que os lutadores que estavam no UFC 3, último game da franquia, estarão presentes, bem como os clássicos. O Brasil continua representado no título, com uma arena no Rio de Janeiro.

Arena "Kumite" é uma espécie de caverna oriental. Mas não há uma localização exata. A idéia é criar um sistema lúdico de luta como em outros fighting games

Ainda sobre arenas, a produção ampliou os próprios horizontes para a próxima edição do game. Será possível lutar em espaços temáticos, não mais somente no octógono tradicional, propriamente dito. As novidades se estendem também ao modo de personalização, com direito não somente à shorts e luvas diferenciados, mas também a máscaras (algumas, bastante exóticas), cordões e outros acessórios. É importante ressaltar: nenhum item afetará diretamente a gameplay, dando vantagem de qualquer forma.

A arena "jardim" ou "quintal" é outro ambiente novo no game. Kimbo Slice ficou famoso lutando em locais como esse.

Em relação à customização, os jogadores terão uma grande variedade de aparências à sua disposição – indo desde bigodes chamativos a tatuagens dos mais diversos tipos. O modo carreira traz um sistema semelhante ao do FIFA – com melhoras no sistema de evolução e um trabalho no qual as decisões do lutador impactam diretamente em sua trajetória, desde aceitar ou não uma luta até suas interações em redes sociais para construir conexões ou rivalidades com outros profissionais. Entretanto, tais decisões, não impactam o destino e desenvolvimento do seu lutador a longo prazo.

– A ideia é deixar o jogo mais fácil para novos usuários e jogadores casuais. Deixamos o grappling mais fácil, com controles básicos, sem tantas combinações. Na fase amadora da carreira, o jogador vai aprender as diferentes áreas das artes marciais. Você poderá aprender todas as modalidades para facilitar o aprendizado, em vez de ir diretamente para uma luta de MMA – afirmou Brian Hayes, diretor de criação do game, em entrevista exclusiva ao GGWP.

A personalização de personagens é outra novidade do game. Será possível comprar itens dentro do jogo, assim como no FIFA, por exemplo. Uma tendência nos games, mas que foge à realidade do UFC que exige que seus atletas lutem com os uniformes da organização.

UFC 4 estará disponível a partir do dia 14 de agosto para Playstation 4 e Xbox One. Entretanto, "se PS5 e Xbox Series X suportarem retro compatibilidade com versões anteriores dos jogos da Geração 4, presumivelmente, os fãs poderão jogar o UFC 4 em seus consoles da Geração 5", informou o diretor criativo do UFC 4, Brian Hayes. "Ainda não tivemos a oportunidade de testar isso e determinar se é necessário algum trabalho de desenvolvimento adicional para aproveitar a retro compatibilidade, mas esperamos ver o UFC 4 jogável no hardware da Geração 5 utilizando esse recurso".

Na capa do game estarão o nigeriano Israel Adesanya (categoria peso médio) e o americano Jorge Masvidal – que enfrenta o também nigeriano Kamaru Usman neste sábado, no UFC 251, pelo cinturão dos meio-médios. A maior organização de MMA do mundo busca nos games renovar seu público e buscar mais alcance com recursos lúdicos. Encantar novos gamers, significa aumentar audiência, consumir a cultura das artes marciais e se posicionar num território diferente do octógono.

À esquerda, o americano Jorge Masvidal (peso meio médio) e o nigeriano Israel Adesanya (peso médio) e o americano Jorge Masvidal. Eles estarão na capa do game

Sobre o Autor

Leo Bianchi é jornalista, já foi repórter e apresentador do Globo Esporte. É apaixonado por competição e já cobriu Copa do Mundo, Fórmula 1, UFC e mundiais de CSGO, R6, FIFA, Just Dance e Free Fire. Também é youtuber e Pro Player frustrado.

Sobre o Blog

No GGWP você encontra análise dos cenários competitivos no Brasil e no mundo, além dos bastidores do universo envolvendo times, pro-players e novidades em geral.